Um cartão postal da Rota da Seda

Chegada em Moscou

Quando saímos do avião, percebemos que parte do equipamento de filmagem se perdeu no meio do caminho… A caça pela loja de equipamento de vídeo estava prestes a começar! Não é fácil entender os caracteres em cirílico, ou explicar a situação para um taxista que não fala inglês, mas conseguimos resolver tudo em duas horas. Que alívio!
No Estádio Lujniki, nossos equipamentos e documentos são verificados, e vemos pela primeira vez a procissão que nos acompanharia todo o tempo. É uma multidão, mais de 2.500 pessoas!

No acampamento

Era um hotel 1000 estrelas! Realmente, passar a noite acampado do lado do gerador, com os mecânicos trabalhando nos veículos a noite toda… não tem preço! Dormimos com a câmera, o tripé, o drone e todo o resto. Ficou um pouco apertado! Acordamos 3 a.m para desmontar acampamento, tomar café e sair antes do nascer do sol. Temos 12 horas de estrada para enfrentar! Durante as primeiras paradas pela estrada, na Rússia, descobrimos paisagens de tirar o fôlego, de estepes e florestas. Era lindo, mas ainda faltavam mais de 10 mil quilômetros até Pequim! A estrada que cruzamos ao longo dos 15 dias passa pela Rússia, pelo Cazaquistão e pela China, é indescritível.
Na véspera de atravessarmos a fronteira do Cazaquistão, o assessor de imprensa tirou da mochila 250g de caviar e uma garrafa de Beluga, a melhor vodca da Rússia. As ovas de peixe iriam estragar por causa do calor escaldante, então a gente precisava comer toda a lata, uma colher para cada um. Que delícia!

Cazaquistão

Fomos recebidos como reis no Cazaquistão. Todos que encontrávamos nos ofereciam leite de égua. É bem esquisito, como um leite fermentado, frisante. Dizem que faz bem pra saúde, e nos ofereciam com tanto entusiasmo que ficamos satisfeitos em beber essa iguaria local!
As paisagens na Ásia central são maravilhosas. Usamos o drone sempre que podemos. É um prazer enorme filmar aqui, principalmente porque poucos jornalistas vêm aqui. Tenho a impressão que estamos fazendo imagens raras.

China

Atravessar a fronteira para Xin Jiang aumenta ainda mais essa sensação. Os ocidentais raramente vêm para esta parte do mundo e nenhum tipo de jornalista costuma ser bem-vindo mas, graças ao Silk Way Rally, conseguimos os vistos necessários. Os policiais nos olharam com certa curiosidade! Eles tiraram fotos dos nossos carros, e nós não parávamos de sorrir! Tivemos até a oportunidade de filmar o controle de fronteiras!
Quanto mais avançamos em direção ao leste, mais magníficas são as paisagens. Dirigimos por quatro dias, através do deserto de Gobi. Produzimos imagens das belíssimas dunas de areia. Guardaremos para sempre essas memórias, nos nossos corações, e nos arquivos da AFP-Services!

© Amandine Jouan -