De volta do Tour de France

Fim da Tour de France  2017 com meu colega Thibaut Drapier.

A missão do nosso binômio, tal como em 2016, consistia em acompanhar do interior a equipe francesa AG2R La Mondiale e diariamente publicar vídeos relatando a vida do “Tour”.

Um mês pelas estradas de Düsseldorf a Paris, etapas com nomes míticos: Planche des Belles Filles, Galibier, Izoard. O frescor de Liège na Bélgica, a quentura de Puy en Velay.  A incandescência de um conta-relógio no estádio Vélodrome em Marselha.

Mais de 100 vídeos realizados durante as 21 etapas, ao ritmo da corrida. Não perder a partida. Encontrar o mítico PPO (ponto de passagem obrigatório) sem o qual não é possível acessar o perímetro de corrida. Sítios improváveis, centros urbanos, quilômetros de planície. Depois, na estrada que é também percurso de férias, ficarmos bloqueados várias horas atrás de uma caravana de Holandeses. Mas sempre também, maravilhar-nos com a beleza das paisagens ou simplesmente com o fervor popular em torno da maior corrida ciclista do mundo.

O nosso carro é a nossa casa, o nosso estúdio de montagem, o nosso secador de meias. Nele passamos em média 5 horas por dia, ou seja, no total, 6 dias completos.

Deslocamo-nos no meio de um circo em movimento, 5000 veículos, a caravana publicitária, uma armada de jornalistas, de sponsors, de polícias, tudo com sua hierarquia implícita. Carros marcados em azul e rosa (aqueles que podem circular em toda a parte), carros com uma faixa indicando a frente da corrida, o fim da corrida ou o exterior da corrida (não tente entender!) e todas as estradas fechadas, onde apitamos e buzinamos incansavelmente perante as paredes de espetadores exaltados, onde a polícia nos pede para passar com o sinal vermelho, rápido, rápido, os corredores estão chegando, não se pode demorar. Sem problema, de qualquer modo, a estrada pertence à corrida e todo o mundo circula no mesmo sentido.

Obrigado a toda a equipe AG2R que acompanhamos de perto, nos momentos de dúvida (Romain Bardet que ficou no terceiro lugar apenas por 1 segundo) e de felicidade (sua vitória em Peyragude), e também, obrigado pelas risadas nos jantares depois das etapas.

Uma bela experiência!

Franco-ThaïIslamic Games coverage in Azerbaidjan